amores expresos, blog da CECÍLIA

Friday, June 15, 2007

Berlim-Rio

Não por corresponder mais ao estereótipo do bom escritor o escritor retraído - a moda do "autor que não fala", pose que anda em alta -, mas descobri que ficar calado é uma coisa útil para quem está escrevendo um livro. Repito o ditado que aprendi em Berlim, já postado antes: "In Ruhe Liegt Die Kraft". Silêncio, pra alemão - e pro Frankie Vallie and the Four Seasons -, é OURO. Eu também gosto muito, pelo menos na hora de trabalhar.

Mês que vem lanço o meu primeiro livro, Lugares que não conheço, pessoas que nunca vi (editora Agir/Ediouro). Vou levá-lo debaixo do braço na Flip, em julho, de início em dois lançamentos (um no Rio e outro em São Paulo, com datas a acertar) e à Bienal. Quando comecei a escrever esse, eu comentava o andamento do texto no Escrevescreve, até que percebi que falar em processo criativo enquanto escrevo não me serve. Por isso aqui, vou colocando algumas fotos que tirei em Berlim. As imagens, sim, me ajudam. Não consigo mais ficar escrevendo sobre o que estou escrevendo, não faz sentido pra mim. Mim mim mim. Quem interessa na hora de escrever sou eu. Então em vez de longos relatos de viagem, vamos ter aqui em folgada maioria as fotos de uma câmera muito velha e caquerada que já viajou comigo a muitos lugares.

Eu poderia ter levado a esses lugares uma câmera que era muito boa, muito cheia dos pixels e filtros e sacanagens eletrônicas. Mas na manhãzinha do primeiro dia de 2005, chegando de uma festa de Reveillon, saltei de repente de um táxi em Laranjeiras porque tinha acabado de ver um amigo e vizinho subindo a ladeira da nossa rua. Pulei correndo pra desejar feliz ano novo pro cara. Nunca mais vi a câmera boa. Na minha empolgação infantil, esqueci no banco de trás do táxi. A câmera velha que esse mesmo amigo me deu, em compensação, tem me acompanhado desde então. Ela tem menos machu-pichus, menos gueri-gueris, é enorme - motivo de piada aonde quer que eu a saque da bolsa - e funciona perfeitamente para o que eu quero: um complemento para as anotações.

As imagens de passarinhos ladrões, é claro, não integram esse rol essencial pro texto.