amores expresos, blog da CECÍLIA

Tuesday, September 11, 2007

Três anos, um livro

Por Miguel Conde, no Prosa

Por três anos, a escritora Cecilia Giannetti trabalhou em seu primeiro romance, "Lugares que não conheço, pessoas que nunca vi" (Agir). Nesse período, ela perdeu e teve que refazer 70 páginas por conta de uma pane no computador, interrompeu a escrita várias vezes por causa de encomendas para antologias de contos, e tentou responder com paciência a quem perguntava: "e o livro?". Quando o texto já estava entregue à editora e sendo revisado, ela ainda adicionou um novo capítulo à história - mais uma alteração, a última, na obra. O livro ficou pronto ontem, em cima da hora para ser levado à Flip, onda essa manhã ela participou da primeira mesa, com outros dois jovens autores: Fabrício Corsaletti e Verônica Stigger.

Cecilia já tinha participado de debates do tipo antes, mas nunca com um livro para chamar de seu debaixo do braço.

- Não vou ficar discutindo esse livro. Acho que o que eu tinha para dizer está dito nele - diz a autora, de 31 anos.

Os contos publicados em antologias e revistas tornaram o nome de Cecilia conhecido no meio literário, e criaram expectativas quanto ao seu livro. Entregar o texto foi um alívio, ela diz:


- É bom saber que eu já fechei um romance. Não vou ficar mais de maluquice nas próximas vezes, parada na frente do computador toda dura, esperando ter uma idéia. Agora já sei que o melhor é sair de casa, dar uma volta, e uma hora o texto vem. Além disso, esse é um livro muito cheio de paranóias, muito ligado ao Rio de hoje, de certa maneira foi bom me livrar dele. Estou feliz de ter conseguido criar uma história em cima de uma realidade tão escrota.

Sobretudo, diz, ela não queria escrever "só mais um romance realista", nem, em outro extremo, "prosa poética de mulherzinha". Os dilemas durante a escrita foram divididos com alguns poucos amigos, como o cronista do GLOBO João Paulo Cuenca, que ela conheceu anos atrás numa lista de discussão sobre música na internet. Agora, o que ela não quer é ler as resenhas do livro.

- Eu tenho que trabalhar, ler crítica do livro dos outros – diz a autora, que é editora do site Portal Literal e colunista da "Folha de S. Paulo".

Outros dois livros já estão começados. Um será uma história de humor. Outro, o romance para o projeto "Amores Expressos", que mandou 16 escritores a diferentes cidades por um mês para que eles escrevessem uma história de amor a partir da experiência (Cecilia foi para Berlim).

- Eu separo totalmente contos e romances do que eu escrevo no blog. A única influência da internet no meu trabalho é que ela me ajudou a não pirar. Eu era vocalista numa banda, vivia sempre em grupo, e quando resolvi escrever a sério tive que dar uma sumida, porque não tem outro jeito para escrever a não ser sozinha, sentada com a bunda na cadeira. Com o blog, eu mantinha algum contato com as pessoas.